Janu pediu o afastamento ou realocação da diretora escolar monitorada por tornozeleira eletrônica - Foto: Josimar Segundo
Janu pediu o afastamento ou realocação da diretora escolar monitorada por tornozeleira eletrônica - Foto: Josimar Segundo

O vereador Janú (Republicanos) cobrou o afastamento de uma diretora escolar que, segundo ele, é monitorada pela Justiça com tornozeleira eletrônica. Na sessão dessa terça-feira (21.dez.2021), o parlamentar apresentou documentos que comprovam a nomeação da professora – que possui condenação na Justiça Federal – para dirigir a escola do Sítio Carás do Umari, em Juazeiro do Norte.

“Eu recebi mais de 20 denúncias do povo da zona rural, assustados. As pessoas estão querendo tirar os filhos da escola. É vergonhoso para o Município uma situação dessa. Essa pessoa não está dentro dos quesitos, dos parâmetros legais para assumir a direção de uma escola, onde tem várias crianças, principalmente se tratando desse tipo de crime”, afirmou o parlamentar.

A servidora, condenada em 1º grau pela Justiça Federal do Ceará, foi denunciada por cárcere privado em ação penal ajuizada pelo Ministério Público Federal (MPF), em 2018. De acordo com o MPF, a servidora e outros dois denunciados transportaram uma imigrante venezuelana de Boa Vista, em Roraima, para Russas, no Ceará, e posteriormente para Juazeiro do Norte. O objetivo, segundo o órgão, era submetê-la ao trabalho em condições análogas à escravidão.

Líder do governo na Câmara, o vereador Rafael Cearense (Podemos) esclareceu que não há ilegalidade na nomeação porque a diretora foi aprovada em processo seletivo. O parlamentar reforçou que a professora ‘merece uma segunda chance’ e disse estar ‘acompanhando os passos’ da servidora.