Guarda Civil Metropolitana do Crato - Foto: Divulgação
Guarda Civil Metropolitana do Crato - Foto: Divulgação

A diretoria do Sindicato dos Servidores Municipais do Crato (Sindsmcrato) denunciou más condições de trabalho e suposta prática de assédio moral na Guarda Civil Metropolitana do Crato. Denise Pinheiro, presidente da entidade, disse que a situação é preocupante. Em entrevista à rádio Educadora do Cariri, no último sábado (4.dez.2021), ela afirmou que teve acesso a áudios em que um GCM é humilhado pelo secretário adjunto de Segurança Pública.

“A insatisfação é com relação as condições de trabalho, a questão de assédio moral que é recorrente na segurança pública do Crato. Tem um regime nessa secretaria que quer militarizar a Guarda Municipal, quer tratar os guardas como militares, humilha! Eu escutei um áudio onde o secretário adjunto humilha um servidor, tenta manter a sua autoridade humilhando”, afirmou a Denise.



Além da suposta prática de assédio moral, o sindicato denunciou más condições de trabalho em um depósito da Prefeitura do Crato. No local, os GCMs ficam abrigados numa barraca levantada com sobras de móveis e materiais de construção.

“Quando reclamam da situação são [os guardas] são alvos de deboche, são constrangidos, e fica da maneira que está, sofrendo retaliações, situações não só vexatórias, mas humilhantes aos profissionais da segurança pública”, lamentou um membro do sindicato.

Nessa quarta-feira (8.dez), o vereador Gabriel Figueredo (Pros) publicou nas redes sociais vídeo de sua visita ao depósito. As imagens divulgadas pelo parlamentar confirmam o que foi denunciado pelo sindicato. São abrigos improvisados, segundo o vereador, sem banheiros e sem água. Um deles levantado com partes de móveis usados.



| Quer ficar por dentro das principais notícias do dia? Siga-nos no FACEBOOK e INSTAGRAM!