Ex-prefeito de Juazeiro do Norte, Raimundo Macedo - Foto: Reprodução/ Facebook
Ex-prefeito de Juazeiro do Norte, Raimundo Macedo - Foto: Reprodução/ Facebook

A defesa do ex-prefeito de Juazeiro do Norte, Raimundo Macedo (MDB), se posicionou neste sábado (23.out.2021) a respeito da Ação Civil Pública ajuizada esta semana pelo Ministério Público, a qual requer a condenação do ex-gestor por ato de improbidade administrativa por prejuízo ao erário de, aproximadamente, R$ 13 milhões.

A quantia correspondente ao somatório dos valores de imóveis públicos irregularmente doados a pessoas jurídicas de direito privado entre 2013 e 2016. Segundo o MP, Raimundão concretizou 56 doações de imóveis públicos para inúmeras entidades privadas, correspondente a uma área total de 203 mil metros quadrados, avaliados em mais de R$ 15,6 milhões.

Em nota enviada à imprensa, Raimundão alega que as doações foram efetuadas com “o intuito de promover o desenvolvimento comercial e industrial da cidade, para a geração de emprego e renda, através da atração de empresas” e que seguiu todos os trâmites legais.

“Tenho a consciência tranquila dos atos por mim realizados no decorrer de nossa gestão e, tão logo, sejamos notificados oficialmente sobre esta ação, tomaremos as medidas necessárias juntamente com nosso corpo jurídico. Acreditamos na Justiça e na resolução de todas as dúvidas ora levantadas, objetivando o esclarecimento à nossa sociedade e a justiça cearense”, diz o ex-prefeito.

LEIA A NOTA NA ÍNTEGRA:

“Recebi com surpresa a atitude do Ministério Público do Ceará, que ajuizou uma Ação Civil Pública, por suposto ato de improbidade administração durante a nossa gestão como prefeito municipal de Juazeiro do Norte.


O assunto versa sobre as doações de áreas do município (terrenos), efetuadas à época, com o intuito de promover o desenvolvimento comercial e industrial da cidade, para a geração de emprego e renda, através da atração de empresas.

Quero deixar bem claro que a parceria destas empresas com o município, seguiu todos os trâmites legais, obedecendo fielmente a regulamentação vigente.

Tanto é, que já há uma decisão interlocutória favorável a mim, do Exmo. Juiz de Direito, Dr. Renato Belo Vianna Velloso, que indeferiu sobre a indisponibilidade de bens, solicitada na ação.

Tenho a consciência tranquila dos atos por mim realizados no decorrer de nossa gestão e, tão logo, sejamos notificados oficialmente sobre esta ação, tomaremos as medidas necessárias juntamente com nosso corpo jurídico.

Acreditamos na Justiça e na resolução de todas as dúvidas ora levantadas, objetivando o esclarecimento à nossa sociedade e a justiça cearense.”

Raimundo Macedo, ex-prefeito de Juazeiro do Norte