Prefeito Glêdson Bezerra

O cientista político Raulino Pessoa Júnior, professor do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas da Universidade Estadual do Ceará (Uece), acredita que o modelo do ‘presidencialismo de coalização’ pode ser uma saída para o prefeito Glêdson Bezerra (Podemos) superar as dificuldades que tem encontrado para governar Juazeiro do Norte.

| Acompanhe o EmOFF no FacebookInstagramTwitterGoogle News e WhatsApp.

Em entrevista ao Jornal do Cariri, Raulino avalia que essa iniciativa, caso seja adotada por Glêdson, abrirá espaço para concessões por parte prefeito. “Normalmente as concessões são muito mal vistas porque são ligadas à ideia de fisiologismo, de compra de apoio, de entrega de alguns cargos, mas não necessariamente. Essas concessões podem ser, também, uma negociação em torno das políticas e prioridades do governo”.

No ‘presidencialismo de coalizão’, o presidente da República cede ministérios à partidos políticos em troca de apoio no Congresso. “Nesse caso, o prefeito precisaria fazer alianças para atrair, no caso, esses vereadores e conseguir minimamente um consenso para conseguir estabelecer suas políticas públicas”, acrescenta Raulino.

Embora tardio, o plano de Glêdson de fortalecer a sua base de apoio na Câmara já engatinha. Na última quarta-feira (5.mai.2021), o prefeito juazeirense almoçou com dez vereadores, três deles considerados independentes. Após o encontro, o presidente do Podemos, Fernando Torres, afirmou que até julho o prefeito terá o apoio de dois terços da Câmara Municipal.

LEIA TAMBÉM:
• Glêdson desobedeceu a decreto ao promover almoço para 10 vereadores
• A exemplo de Raimundão, Arnon volta a exercer a medicina e faz atendimentos à população
• Ciro é condenado por chamar Eunício de “maior corrupto da história moderna do Ceará”

| Receba as últimas do EmOFF direto no seu WhatsApp! Peça a inclusão do seu número em nossa lista de transmissão.